CADASTRO   ANUNCIE   QUEM SOMOS   CONTATO            
NOTÍCIAS        MATÉRIAS/REVIEWS        NAS BANCAS        NAS COMIC SHOPS        LANÇAMENTOS EUA        GALERIA        VÍDEOS
MATÉRIAS/REVIEWS     
 
14/10/2008
 
MATÉRIA: MIRZA - UM DRÁCULA TROPICALISTA
Por : Adilson Thieghi
 

facebook

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



"Colonnese era um entre os grandes artistas dos quadrinhos também porque ensinou o Brasil como se deveria fazer histórias em quadrinhos. Pena que muito poucos reconheceram ou lhe deram a devida atenção por isso."
- Gonçalo Junior

Quem tem mais de 30 anos provavelmente já leu histórias em quadrinhos de terror e, se leu, a possibilidade de uma delas ter sido estrelada por uma morenaça de corpo sedutor e dentes afiados é grande. Mirza, a Mulher-Vampiro foi criada pelo desenhista italiano radicado no Brasil Eugênio Colonnese em 1967 (antes da Vampirella, é bom que se diga) e seguiu sendo publicada, com breves interrupções, por mais de 20 anos, um feito extraordinário para o turbulento mercado editorial brasileiro.

Hoje a personagem amarga injusto esquecimento, que começou com o desaparecimento dos quadrinhos produzidos por brasileiros das bancas de jornais, exceção feita às produções de Mauricio de Sousa. O abandono da personagem, que teve suas histórias republicadas pela última vez em 2002 é lamentável não porque estas fossem muito boas (nem sempre eram), nem mesmo pelos desenhos de Colonnese, estes sim invariavelmente excelentes. Mas porque, enquanto foram publicados quadrinhos de terror produzidos por autores nacionais, esta foi uma das raras criações realmente originais a surgir.

As histórias de Mirza eram notáveis por misturar, sem nenhum pressuposto teórico, a tradição do terror anglo-americano (que tanto nossos autores copiavam) com algo de propriamente brasileiro. Mas que algo é esse?

Vejamos: Mirza é na verdade a aristocrata Mirela Zamanova, nascida na Cracóvia (uma alegoria para a Transilvânia) e filha de um poderoso conde dono de um soturno castelo, em cujas redondezas vemos árvores ressequidas e revoadas constantes de morcegos. Ela tem também um ajudante corcunda, maligno e puxa-saco que se traja exatamente como os mordomos ingleses que vemos nos filmes. Mais típico, impossível.

Por outro lado percebe-se uma esculhambação geral com outros elementos das histórias vampirescas, uma esculhambação que não tem nenhuma intenção de ser humorística, e que, não sendo paródia, se configura como subversão pura. Que outra coisa dizer de uma história que mostra Mirza de biquíni se bronzeando em plena praia de Ipanema? Um dos elementos mais caros à mitologia dos vampiros, todos sabemos, é a aversão destes seres ao sol. E qual o motivo disso ter sido simplesmente descartado nas histórias, sem merecer sequer uma justificativa?

É isso algo propriamente brasileiro, que nunca conseguiria conceber uma bela mulher cuja existência ficasse oculta aos olhos de todos, que não pudesse ser livremente admirada. É o gosto pelo corpo e não repulsão a ele. Mirza, então, nada tem em comum com o vampiro típico, cuja pele é pálida como a de um defunto, muito menos com uma mulher do leste europeu, o que é quase a mesma coisa, diga-se. E nunca, nunca mesmo se viu Mirza dormindo num caixão, rodeada pela terra de seu país natal.

Seu criador não a via (e nem seus leitores) como uma morta-viva, como um aborto, uma subversão da Criação, mas sim como uma força sexualmente agressiva, impossível de ser contida. Uma pulsão. Daí o gosto pelo Sol, pela praia, por histórias passadas muito mais em hotéis de luxo do que em becos escuros ou castelos sombrios.

No fim das contas, não dá para dizer que Mirza era um personagem caracteristicamente brasileiro, ela não trazia em si nem a ambigüidade de caráter de um exú (como ocorre, por exemplo, com o Zé do Caixão), nem tinha nenhum traço “macunaímico”, mas seu valor estava justamente neste caldeirão que ferveu tradição, inovação, e elementos culturais diversos sem reverência por nenhum deles. Mais tropicalista, impossível.

Em março deste ano, a editora Mythos lançou um especial em comemoração aos 40 anos de criação de Mirza completados no ano passado. Uma homenagem mais do que merecida ao grande mestre.

Eugênio Colonnese faleceu em 8 de agosto deste ano – cinco meses depois da homenagem –, antes de completar 79 anos no dia 3 de setembro. Colonnese nos deixou, mas não sem antes deixar suas inestimáveis contribuições para o mercado de quadrinhos brasileiro.


Veja também:
Para celebrar Eugênio Colonnese, por Gonçalo Junior.

 
 

Tags : Gonçalo Junior, Mirza, Mulher-Vampiro, Eugênio Colonnese, Vampirella, Mauricio de Sousa, Mirela Zamanova, Zé do Caixão, Mythos




 

HQ Maniacs - Todas as marcas e denominações comerciais apresentadas neste site são registradas e/ou de propriedade de seus respectivos titulares e estão sendo usadas somente para divulgação. :: HQ Maniacs - fundado em 19.08.2001 :: Brasil